sexta-feira, junho 08, 2007

Mario Quintana (1906-1994)











Podem falar da violência de minha cidade - e há muita -, mas o Rio não se reduz a isso. Cultura. O Rio de Janeiro transborda cultura, por exemplo, na rua, ela: poesia.

Até o final de julho, os meios de transporte de Santa Teresa vão circular com um adereço especial: a poesia de Mário Quintana.

"Esta vida é uma estranha hospedaria,
De onde se parte quase sempre às tontas,
Pois nunca as nossas malas estão prontas,
E a nossa conta nunca está em dia."

Cerca de 40 textos do escritor gaúcho foram selecionados para o projeto Leitura em Trânsito. Os ônibus, os táxis do bairro e os tradicionais bondinhos vão ganhar 700 cartões impressos com a obra do poeta.
A idéia do projeto é valorizar ainda mais o passeio pelas ruas bucólicas do bairro, oferecendo aos moradores e visitantes acesso à literatura brasileira.

A escolha de Mário Quintana para abertura do Leitura em Trânsito é uma homenagem ao centenário do escritor, comemorado no ano passado.
A cada três meses, os cartões serão substituídos por outros com textos de autores diferentes.

O evento está sendo organizado pelo Centro Educacional Anísio Teixeira, o CEAT, instituição instalada em Santa Teresa há mais de trinta anos.

2 comentários:

crisblog disse...

Lindo seu blog. Amei, simplesmente!

Abrir com Quintana então...

Caramba...

Beijos.

sandro ricardo disse...

Esse tipo de idéia não surge aqui no Acre. Gostaria de saber se essa reforma da biblioteca pública também chegará perto das estantes de livros e se terá algum contato com o grupo de funcionários e com a "diretoria". Uma biblioteca que não produz que não estimula a leitura, que não abre: Que não abre as portas aos sábados(devem pertencer a uma determinada religião); Que não abre os livros, que não funciona; Que não produz, não inventa. Uma biblioteca não pode ser comparada como qualquer órgão público. Gostaria de saber o que de NOVO teremos nessa nova biblioteca.