terça-feira, dezembro 08, 2009

Até quando eu retornar


A partir de hoje - a não ser em caso extraordinário -, não atualizarei este blogue até 30 de janeiro de 2010. As férias só permitem descanso, curtição, deixar rolar, preguiça, mãe, pai, amigos, primos, primas, mar, montanha. Mony.

Assim sendo, nesta última atualização deste ano, dedico meu texto a meus alunos, a esse pessoal que me suportou, que não teve preguiça em sala de aula, que teve preguiça, que se dedicou até o último momento, que não se dedicou ao último instante.

Estudar, sabemos, é árduo, porém também transformamos os estudos em uma brincadeira de gincana do conhecimento.

Muitos aceitaram o desafio de eu ser um (risível) obstáculo. Esses não desistem. Quanto mais dificuldades, mais se superaram. Outros, acarinhados pela preguiça, pelo desinteresse, pela falta de vontade, entregaram-se ao descaso, à derrota, esperando de minha parte o relaxamento, a facilitação ou um tipo de corrupção silenciosa que permitisse a aprovação de todos.

Enganaram-se. Há 20 anos, eu leciono e, até hoje, sou um tarado pela sala de aula. Podem falar tudo de mim, tudo, menos que eu não tenho a paixão indomável de lecionar. Já disse: leciono para não morrer. A sala, você viram, foi o espaço onde eu encenei a ordem e a desordem, a lucidez e a loucura, o sério e o cômico; foi o lugar onde sou mais humano, onde rio de mim, de ti, de nós. Mais tarde, após anos lecionando, eu descobri: a sala é o lugar sagrado e profano onde sou quem aprende primeiro.

Assistimos a "Jeca Tatu" para depois anotar três cenas e interpretá-las. Apreciamos "Tapete Vermelho". Refizemos textos. Lemos, mais e mais, interpretamos "O Navio Negreiro". Debruçamos nossos olhos sobre os versos de Cruz e Sousa. Entendemos a letra do Rappa e, no segundo momento, nós relacionamos à poesia de Castro Alves. A gramática só surgiu por causa da produção textual. Lemos "Auto da Compadecida".

Antes, lemos "Auto de São Sebastião" e, entendida a peça de José Anchieta, soubemos que no século 16 o poder da Igreja deformaca a cultura indígena. Lemos poesias. Aprendemos o poder da metáfora por meio do sensível filme "O carteiro e o poeta".

Busquei mostrar a vocês a beleza da cultura popular por meio do caipira, nossa identidade nacional. Lemos sobre o riso em um fragmento de texto do romance "O Nome da Rosa".

Faltei pouco. Falei muito. Repeti mais ainda: anote, anote, anote.

E quantos ótimos alunos o destino apresentou a meus olhos. Jovens humildes, problemas em suas casas, discriminados, mas com um espírito à altura da superação. Diante deles, preciso melhorar sempre. Sempre. São nomes que desejam mais saber. Alunos que sabem contestar. Inquietos.

Se eu pudesse ofertar a cada um de vocês um livro, ofertaria "Fernão Capelo Gaivota", de Richard Bach. Que o voo seja alto para que, quando você mergulhar, busque o peixe no fundo do mar, o melhor. Não se limite a comer o peixe que o pescador lança à superfície das águas. Não comam o que o bando come, porque a beleza da vida não está na superfície e muito menos no que os vulgares fazem. O melhor alimento habita no fundo, lugar onde poucos tocam.

Mas saiba que voar mais alto para chegar ao fundo exige esforço, erros, tentativas, porém é isso que nos eleva à condição de humanos. Supere-se! Seja melhor que seus pais e permita que seus filhos sejam melhores que você.

Navegamos melhores em mares revoltos. Em lagos, onde a água é calma, nada é exigido de nós, a não ser acomodação. Leia narradores que inquietam teus olhos, que perturbem a tua estabilidade. Proust. Lispector. Virgínia. Leminski. Raduan Nassar.

Leia bons livros. Releia-os. Assista a ótimos filmes. Ame as boas amizades, as que exigem de você o melhor de ti. Deixem a TV também no canal Cultura. Namorem para que possam ser melhores do que são. Amem!!! Aprendam que a Paixão não é algo passageiro - há 20 anos, sou apaixonado pelo ato inquietante de lecionar.

Leia Fernando Pessoa. Drummond. Mário Sá-Carneiro. Seja um leitor assíduo da vida. Afaste-se das palavras doentes das ruas. Leia o que eu não li. Obedeçam na hora certa. Desobedeçam na hora incerta. "A desobediência também tem seus direitos", grita André, protagonista de "Lavoura Arcaica".

Um beijo em seus destinos. Um abraço fraterno em suas vidas.

Sou apaixonado por vocês!!!

5 comentários:

Jamylle Carvalho disse...

Queria ter estudado com você no 2º semestre. Me parece que foi muito mais interessante. Queria ter analisado e entendido letras do Rappa - que gosto tanto. Queria ter lido novamente o Auto da Compadecida e ter uma visão mais ampla sobre. Pena que não tive essa sorte.

Adoro os teus conselhos. Já tentei seguir vários, com sucesso.
Depois que o conheci, minha vida mudou pra melhor. Agradeço por tudo.

Ana Caroline Vale disse...

Sentirei saudades professor, pois ano que vem não tenho certeza se irei permanecer no Heloisa. Mas o que posso dizer é que foi um grande prazer ter aulas com o senhor.Bjão ! ;*

alexandra disse...

Que satisfação em tê-lo como professor.Além de um ótimo professor uma pessoa com um espirito admirável,com opiniões fixas,ideias sábias,bons concelhos.É bom saber que ainda existem professores como você,dedicados em ensinar.Esse ano posso dizer que aprendi além de literatura e gramática,experiência para a vida toda.
Felicidade Aldo Nascimento, já plantou a semente de interesse pela leitura(kkk).
Que outros cérebros sejam consumidos pela suas palavras, e de tantos outros autores de sua citação.
Abraço!

Rebeca Rocha disse...

AH, professor..
Suas palavras só nos mostram cada dia mais o quanto fomos felizes por o ter tido como mestre.
A princípio, todos tinham em mente um Aldo Nascimento terrorista, o demônio em pessoa, mas com o passar do tempo, pudemos perceber que não és nada disso.
Orgulho-me por ter aprendido com o senhor.
Quanto a leitura, saiba que a cada dia dedico-me mais a ela. Clarice Lispector tornou-se minha companheira diária.
Sinto falta de suas aulas, de sua exigência irritante e de sua insistência com a turma.
Não foi à toa que nossa turma o escolheu como padrinho.
Espero que nos encontremos no 3º ano.
Uma aula de redação sem o senhor não teria a menor graça!
(risos)

Aproveite as férias!
É muito bom relaxar ao lado de quem se ama!

Abraços,

Rebeca.

Jamylle Carvalho disse...

Adorei o biquinho que você fez na foto! rsrs'

(: