quarta-feira, maio 22, 2013

Beijar



Em sua insana consciência, o Amante jamais pensa como beijará o ser Amado, porque o que é vital no beijo é o não pensar.


Uma vez nele, uma vez entre os lábios e a língua, entre a saliva e o céu da boca, já não vemos mais nada. Fechar os olhos.


Desejamos tão somente sentir o movimento incerto da carne para partir... e, fechados os olhos, a Alma se sente cair no abismo de uma breve viagem. Deixar ir.

Nada no beijo é exato, preciso ou calculado. Quanto mais errado, quanto mais a língua escapa, foge, escorre, quanto mais os lábios se jogam, a boca só deseja se perder, mais ainda, na boca Amada.

Mas quem disse que o beijo são só os movimentos da carne? Antes de eu ter minha boca de volta, antes de eu ir embora, pouco antes de minha partida, deixei na tua não só o pecado molhado da saliva, mas meu sopro...

meu sopro de vida.

2 comentários:

Anônimo disse...

Uma lindeza!

Anônimo disse...

Qual o seu email?